Lançamento/2020


Lançamento de livros 2020

 

Ofícios e Saberes: Permanências, Mudanças e Rupturas no Mundo do Trabalho.
Curitiba: Editora Appris, 2019.

 

 

 

 

Lançada pela Editora Appris, em fevereiro deste ano, a obra “Ofícios e Saberes: Permanências, Mudanças e Rupturas no Mundo do Trabalho” destaca um conjunto de experiências e desafios enfrentados por trabalhadores de diversas áreas para sua permanência no mundo do trabalho contemporâneo. Organizado pelas professoras e pesquisadoras Rosa Elisa Mirra Barone e Maria Rita Aprile, o livro conta com a participação de mais de uma dezena de autores do país e do exterior envolvidos com estudos e pesquisas sobre a temática.
A obra propõe uma discussão sobre as transformações no mundo do trabalho contemporâneo e reitera a emergência de mudanças na natureza e no tipo de trabalho realizado e seu aprofundamento no cenário da 4ª Revolução Industrial, marcado por crises de natureza distintas e, sobretudo, pela tecnificação e precarização do trabalho humano.
Ainda que essas mudanças concorram para a extinção de deteminadas atividades laborais, evidencia-se, ao mesmo tempo, a permanência, persistência ou a (re)valorização de ocupações cuja base está em diferentes saberes de ofício. Este processo é atestado em depoimentos de antigos telegrafistas, alfaiates, costureiras, sapateiros, curtumeiros, marceneiros, pedreiros, moleiros, ceramistas, ladrilheiros e parteiras, coletados pelos autores.
Nos relatos de suas trajetórias profissionais, são destacados os processos de aprendizagem, dificuldades e/ou possibilidades laborais que colaboraram para a transformação de determinados ofícios em “nichos” especializados, diferenciados e valorizados, no atual contexto produtivo.
As experiências profissionais registradas no livro indicam a relevância do trabalho criativo e da ressignificação de determinadas profissões e ocupações como possíveis indicadores da emergência de novas possibilidades de sobrevivência aos atuais impasses impostos a determinadas profissões e que concorrem para sua pauperização, desqualificação e, até mesmo extinção.

Sobre as autoras: Rosa Elisa Mirra Barone – Doutora e mestre em Educação: História e Filosofia da Educação pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP). Graduada em Ciências Sociais (UnespAraraquara). Maria Rita Aprile – Doutora e mestre em Educação: História e Filosofia da Educação pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP). Graduada em Ciências Sociais (UnespAraraquara). Maria Rita Aprile – Doutora e mestre em Educação: Currículo pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP). Licenciada em Pedagogia pela PUC de Campinas (PUC-Campinas).

Link: https://www.editoraappris.com.br/produto/3592-ofcios-e-saberes-permanncias-mudanas-e-rupturas-no-mundo-do-trabalho

Diálogos entre Trabalho e Educação: desafios contemporâneos.

Belo Horizonte: JADESIGN, 2020.

A obra reúne textos apresentados nas Conferências e Mesas Redondas do VIII Simpósio Internacional Trabalho, Relações de Trabalho, Educação e Identidade (novembro de 2020). Ela reflete as pesquisas atuais desenvolvidas por seus autores e tem como temas centrais a formação profissional e interprofissional, a formação em alternância, o trabalho digital, a competência, as narrativas do trabalho e a preocupação com o futuro do trabalho e do trabalhador. Os autores recorrem às ciências da educação, à pedagogia, à sociologia, à psicologia, à engenharia, entre outros campos do conhecimento, para sustentar teoricamente os textos.

Sobre organizadores: Antônio de Pádua Nunes Tomasi, Doutor em sociologia (Université Paris 7) Professor Titular/ Departamento de Engenharia Elétrica do CEFET – MG. Programa de Pós-graduação em Educação Tecnológica – CEFET-MG Belo Horizonte – MG e- mail: tomasi.antônio2020@gmail.com.  Roberta Carvalho Romagnoli, Doutora em Psicologia Clínica (PUC-SP), professora Adjunto IV da Pontifica Universidade Católica de Minas Gerais, Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil. Pesquisadora do CNPq e da Fapemig. E-mail: robertaroma1@gmail.com

 

Link para baixar:  Livro-Sitre-versão-web

 

Educação Encarcerada. Estudos sobre mulheres reclusas e estudantes.
Curitiba: Editora CRV, 2020.

O livro é composto por duas pesquisas efetuadas no mesmo Complexo Penitenciário Feminino em Minas Gerais. Ambas fazem parte de um projeto maior sobre a educação em presídios. No primeiro artigo “Educação encarcerada: mulheres reclusas e estudantes em MG”, descrevi as condições objetivas das alunas estudantes, cuja maioria é negra, pobre e de classes desprivilegiadas economicamente. Apontei a escola e o cárcere como microesferas do que sabemos em outros presídios no Brasil. Apesar da privação da liberdade, a escolarização resiste como prática e direito. Além disso ressaltei, no ordenamento jurídico brasileiro, as normas legitimadoras da educação em presídios. Finalmente, analisei as relações configuradas entre as reclusas, o staff responsável pela segurança, professores e funcionários. O segundo artigo, “Prisioneiras e leitoras: a educação e a leitura em privação de liberdade”, apresenta os resultados da pesquisa sobre o projeto de remição pela leitura e escrita de resenhas. Aproveitei o campo normativo já estudado e verifiquei como o projeto era percebido pelas leitoras em reclusão. A cada livro lido e resenhado a sentenciada tem o direito de remir 4 dias de sua pena. A experiência foi promissora. Contudo, o grupo possuía escolaridade razoável, ensino médio completo e superior. A maioria das leitoras respondia por tráfico de drogas, vivia com a família, outrora em liberdade, e possuía emprego. Em tais condições encontrei um grupo ativo, com considerável capital cultural, mas sujeitas ao poder masculino pela própria natureza da relação que tiveram com os homens na criminalidade.

Sobre o autor: Lúcio Alves de  Baros – Professor de Antropologia da Educação na FaE (Faculdade de Educação) da UEMG (Universidade do Estado de Minas Gerais), na qual foi Chefe de Departamento (DFSHFE) por duas vezes e vice-diretor da unidade entre 2/2016-1/2020. É graduado e licenciado em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), Mestre em Sociologia pela UFMG e Doutor em Ciências Humanas: Sociologia e Política pela UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais). Publicou Fordismo. Origens e Metamorfoses. São Paulo: Ed. UNIMEP, 2004 e Viver não é para principiantes. Crônicas do Cotidiano. São Paulo: Ed. Delicatta, 2013. Publicou e organizou os livros Glossário de Administração Pública. Belo Horizonte: Ed. Prefeitura Municipal de Belo Horizonte, 2000; Polícia em Movimento. Belo Horizonte: Ed. ASPRA, 2006; Mulher Política e Sociedade. Brumadinho: Ed. ASA, 2009 e Polícia, Política e Sociedade. São Paulo: Ed. Delicatta, 2014.

Link: https://www.editoracrv.com.br/produtos/detalhes/35191-educacao-encarceradabr-estudos-sobre-mulheres-reclusas-e-estudantes

Trabalho e emancipação humana MARX – os Grundrisse.
Campinas: Editora Papel Social, 2020.

Trabalho e emancipação humana em Marx – os Grundrisse traz ao leitor uma análise do significado da categoria trabalho em Marx e de sua relação com a emancipação humana. Resultado de estudo minucioso sobre os Grundrisse – manuscritos que precedem à redação de O Capital –, o livro expõe inicialmente a amplitude do conceito de trabalho aí encontrado, bem como os traços que distinguem o trabalho no mundo moderno, mostrando como categorias, como capital, força de trabalho, etc., estão inseridas e explicam um contexto caracterizado tanto pela alienação dos indivíduos, quanto pela universalização de suas determinações. A autora revela, ainda, o significado de um conceito que ganhou relevo nos últimos anos – o de intelecto geral – e que deu origem a uma série de debates a respeito do caráter do trabalho ou da atividade na contemporaneidade. Expõem-se as potencialidades deste conceito tendo em vista a superação do trabalho alienado e as condições de uma livre individualidade. Após primar, nos primeiros capítulos, por uma exposição centrada no entendimento de Marx, a autora percorre também o pensamento de autores contemporâneos no que diz respeito a suas respectivas interpretações dos Grundrisse.

Sobre a autora: Zaira Rodrigues Vieira é doutora em Filosofia pela Université Paris-Ouest Nanterre la Défense, com pós-doutorado em Sociologia pela Universidade de São Paulo. De 2013 a 2014, foi professora substituta do Departamento de Ciência Política da Unicamp. É professora do Programa de Pós-graduação em Desenvolvimento Social e do Departamento de Ciências Sociais da Universidade Estadual de Montes Claros (MG). Além da obra de Marx, suas publicações abordam o pensamento de Habermas, Althusser, Postone, dentre outros, bem como a problemática do trabalho imaterial e das novas leituras de Marx.

Link: http://www.editorapapelsocial.com.br/ciencias-sociais/trabalho-e-emancipacao-humana-em-marx-os-grundrisse

Ensino e Pesquisa na Educação Profissional e Tecnológica: Concepções e diversidades.

Curitiba: Editora Brazil Publishing, 2020

 

Resultado do trabalho realizado pelo Grupo de Pesquisa Desenvolvimento Profissional Docente: Entre o saber e o Fazer na Educação Profissional e Tecnológica (DRODEPT), as pesquisas apresentadas nesta obra, oferecem aos leitores uma lista ampla de possibilidades para a discussão e o debate entre as formas e os modos de se conceber a educação para o mundo do trabalho no século XXI. Discutir a Educação Profissional e Tecnológica (EPT) é um desafio posto a todos que desejam melhor compreender a formação profissional e uma perspectiva que transcenda a técnica e acampe as dimensões culturais, da sociedade, do mundo do trabalho, do capital, da ciência, da tecnologia, da política e da educação. No total, a coletânea conta com 22 textos com temáticas na EPT, sendo contribuições de 9 professores orientadores e 33 Mestres ou Mestrandos da Educação Profissional e Tecnológica.

Desde 1909, quando Nilo Peçanha assinou o decreto nº 7.566, que criou nas capitais dos Estados as Escolas de Aprendizes Artífices, a EPT tem patinado à margem do sistema educacional brasileiro. Em um processo de contradições entre a educação e o capital, a luta por uma formação omnilateral na perspectiva da emancipação humana, faz um movimento similar a um pêndulo. Se por um lado, pode-se considerar que os anos 2000 retiram a EPT da periferia educacional e a traz para o centro, uma vez que a legaliza como uma modalidade da educação básica, por outro, não há, na atualidade, políticas de estado que consolidem a perspectiva da integração indissociável entre a formação propedêutica e a formação técnica. Assim, um dos desafios na EPT ou na ET, está em melhor compreender as concepções que cerceiam essas temáticas, de trazer à tona dados de pesquisa que sejam relevantes para a tomada de consciência de quão importante é conhecer as instituições de EPT e evidenciar as lutas, os desafios e os avanços na perspectiva da formação integrada dos seres sociais.

Sobre a organizadora: Doutora em Educação pela (UFU) e Mestre em Educação Tecnológica, Cefet-MG. Graduada em Pedagogia pela Unileste. Chefe do Departamento de Educação; Docente no Mestrado em Educação Tecnológica e no Programa Especial de Formação de Professores do CEFET-MG. Coordenadora Acadêmica Nacional do Mestrado Profissional em Educação Tecnológica (ProfEPT). É Líder do Grupo de Pesquisa DPRODEPT. 

Link: https://aeditora.com.br/produto/ensino-e-pesquisa-na-educacao-profissional-e-tecnologica-concepcoes-e-diversidades/