Grupos de trabalhos


GT 01 – Formação de adultos

Coordenadores: Prof. José Peixoto Filho (Universidade de Itaúna e UFF); Prof. Joaquim Luís Alcoforado (Universidade de Coimbra)

Ementa: Formação e mudança profissional; Trajetória de vida e formação na vida adulta; Escolhas profissionais no contexto do mundo do trabalho; Conflito de gerações no ambiente de trabalho; Implicações das transformações tecnológicas na formação de adultos.

GT 02 – Identidade profissional

Coordenador(as): Profª Dra. Vanessa de Andrade Barros (UFMG); Prof. José Newton Garcia de Araujo (PUC-Minas); Profª. Fabiana Goulart (UNA)

Ementa: Relação identidade e trabalho; Identidade profissional e reconhecimento social; Construção subjetiva e Identidade profissional; Formação inicial e continuada;  construção identitária; Tecnologias de informação e identidade profissional.

GT 03 – Formação profissional e competências requeridas do engenheiro

Coordenadora: Profa. Dra. Adriana M. Tonini (CEFET-MG/ UFOP)

Ementa: O mundo contemporâneo, configurado como a “era do conhecimento”, apresenta um cenário de competição entre as organizações e, por consequência, o mercado de trabalho vem demandando trabalhadores cada vez mais eficazes, multifuncionais e competentes.

O avanço tecnológico e a globalização afetaram as características do mercado, alterando, inclusive, a demanda por profissionais. Somam-se a isso as transformações na forma de produção e novas exigências sociais que, ao reforçarem a necessidade de um novo perfil do profissional de engenharia, tornam essa necessidade por mudanças um assunto recorrente no meio acadêmico, no Brasil e no exterior.

Na década de 1990, o debate sobre o perfil do engenheiro para o novo milênio se intensificou e o termo “competência” passou a ocupar um lugar de destaque nos estudos sobre o perfil do engenheiro contemporâneo, tanto que, na Europa e nos EUA, foram iniciados importantes estudos para definir quais seriam as competências requeridas do engenheiro, bem como tratar sobre a necessidade de reforma no sistema educacional.

A universidade, então, passa a ter um compromisso com a sociedade e com o aluno, no sentido de oferecer um ensino que propicie condições para o profissional ingressar e se manter no mercado de trabalho, e, nesse contexto, é fundamental que sejam desenvolvidas competências, durante a formação universitária, compatíveis com aquelas necessárias para a sua atuação profissional. Destaca-se que isso não significa que o foco da educação profissional seja exclusivamente o atendimento das demandas do mercado de trabalho, reafirmando-se, também, a importância de uma formação generalista, humanística e reflexiva.

Nesse cenário, passa a ser importante identificar e analisar as competências que o engenheiro contemporâneo deve desenvolver, já que profissionais como engenheiros estão diretamente envolvidos em processos de trabalho, manufatura de produtos e prestação de serviços, nos mais diversos setores econômicos do mundo globalizado.

GT 04 – Trabalho, saberes e experiência

Coordenadoras: Profa. Dra. Maria Clara Bueno Fischer (UFRGS); Profa. Dra. Maristela Vargas Losekann (Faculdade de Ciências da Saúde do Grupo Hospitalar Conceição (FACS-GHC) e Escola Técnica GHC

Ementa: Trabalho, atividade, praxis, experiência. Identidades, valores e culturas profissionais. Política, trabalho e memória. Transmissão, aprendizagens, técnicas e trabalho. Trabalho e diversidade – gênero, geração, necessidades especiais, etnias. Saúde, trabalho e política. Ações coletivas e trabalho. Experiência, linguagem e trabalho. Análise do trabalho, análise da atividade.

GT 05 – Economia social, solidária e autogestão

Coordenadores(as): Profª Dra. Bianca Lima Costa (UFV); Prof. Dr. Maurício Sardá (UFRPE); Prof. Dr. Carlos Roberto Horta (UFMG); Profa. Dra. Aline Mendonça dos Santos (Univ. Católica de Pelotas); Prof. Dr. Washington José de Souza (UFRN)

Ementa: A emergência da Economia social e solidária numa perspectiva histórica. Economia social e solidária: conceitos e experiências. Trabalho associado, cooperativo e autogestionário. Políticas públicas para o trabalho associado.  A construção do campo político da Economia social e solidária. Economia social e solidária e desenvolvimento territorial. Economia social e solidária e democracia participativa nos locais de trabalho e na sociedade. Economia social e solidária e feminismo. Problemas e potencialidades dos empreendimentos econômicos solidários, cooperativas, associações, bancos comunitários, empresas sociais, organizações mutuais, empresas autogestionárias etc. Economia social e solidária e agroecologia. Economia Solidária, Povos e Comunidades Tradicionais. Redes de Cooperação e Cadeias Produtivas Solidárias. Economia Social e Solidária,comercialização e compras institucionais. Direito do Trabalho e Cooperativismo. Economia social e solidária e suas intersecções: economia popular, economia do trabalho, economia plural, economia dos trabalhadores/as.

GT 06 – Educação do campo e movimentos sociais

Coordenadores: Prof. Dr. Samuel Pereira Campos (UEPA); Prof. Dr. Marcio Gomes (UFV)

Ementa: Esta mesa redonda tratará de questões de educação do campo e movimentos sociais do campo a partir das discussões realizadas por pesquisadores que atuam no estado do Pará. A experiência da educação do campo hoje no sul e sudeste do Pará é, em certo sentido, fruto da luta pela terra realizada pelos trabalhadores rurais a partir da década de 1970. Nessa região, segundo os dados do INCRA, existem 505 Projetos de Assentamentos com certa de 80.000 famílias, em uma área com mais de 4 milhões de hectares. O debate em torno da educação do campo e as experiências hoje vivenciadas a partir da implantação dos cursos de Técnico em Agropecuária e Agroecologia e Licenciatura em Educação do Campo, por alternância, no Campus Rural do IFPA e na UNIFESSPA, entre outros, é fruto da luta dos trabalhadores rurais pela posse da terra, com apoio de diversas entidades. Nas discussões da mesa redonda, compartilharemos também resultados de pesquisas nesta região do estado, explicitando referências de protagonismo dos atores que compõem o Fórum Paraense de Educação do Campo, movimentos sociais do campo, universidades e setores do poder público (estadual e municipais). Serão discutidas ainda a precarização da realidade educacional enfrentadas pelos sujeitos do campo e o posicionamento quanto à regulação que se institui na relação das populações e movimentos sociais do campo com o Estado e as universidades por ocasião da implementação das políticas de educação do campo na atualidade. Da mesma forma, serão expostos processos de materialização do curso de Licenciatura Plena em Educação do Campo da UNIFESSPA, focalizando, particularmente, os contextos sócios históricos de formação dos educandos, possibilitados pela alternância dos tempos-espaços de formação, sob a orientação das seguintes perguntas: Que significados o curso produz para as políticas e os processos de formação?  Como o curso contribui para a consolidação de um campo de saber formulado na tensão que alimenta e impulsiona o projeto de formação de professores do campo.

Palavras-chave: Educação do campo; Movimentos sociais do campo; Luta pela terra.

GT 07 – Novas configurações do trabalho rural e urbano

Coordenadores: Prof. Dr. Luciano Rodrigues Costa (UFV); Prof. Dr. Cláudio Roberto de Jesus (UFRN); Prof. Dr. Lucio Alves de Barros (UEMG)

Ementa: Flexibilização do trabalho; informalidade e desregulamentação das leis do trabalho; reestruturação produtiva; terceirização, novas configurações do trabalho rural e urbano; trabalho informal e suas interfaces com o ilegal e o ilícito; relações de trabalho e emprego; trabalho doméstico; trabalho e gênero e trabalho e migrações.

GT 08 – Trabalho, políticas e lutas sociais

Coordenador(a): Profª. Dra. Patrícia Vieira Trópia (UFU); Prof. Dr. Davisson C. C. de Souza (UNIFESP)

Ementa: O objetivo do GT é estimular debates entre pesquisadores latino-americanos de diferentes áreas do conhecimento interessados em discutir o trabalho em suas mais variadas formas (trabalho formal, informal, precário, terceirizado), o desemprego e a política. As organizações políticas dos trabalhadores, suas formas, instrumentos de luta e reivindicações são temas bem vindos. Também seriam temáticas relevantes para o presente GT: o impacto das políticas governamentais na luta e nos direitos dos trabalhadores, o impacto das mudanças econômicas e políticas nas organizações dos trabalhadores (sobretudo nos sindicatos), a questão do desemprego e do movimento de desempregados, e a relação entre o movimento sindical e demais movimentos sociais. Interessa-nos atrair pesquisas que investiguem as lutas políticas das trabalhadoras no Brasil e na América Latina.

GT 09 – Americanismo, trabalho e educação

Coordenadores: Prof. Dr. José Geraldo Pedrosa (CEFET-MG); Prof. Dr. Flávio Raimundo Giarola (CEFET-MG)

Ementa: Abordagens teóricas ou empíricas sobre modernidade, modernismos e modernização (Europa) versus americanidade, americanismos e americanização (Estados Unidos da América): diferenças culturais, econômicas, políticas, sociais entre o velho e o novo mundo. Repercussões do americanismo no Brasil: na industrialização do século XX, na cultura de massas, na religião e na religiosidade, nas instituições educativas, nos meios de comunicação, na cultura empresarial, na ciência, nos comportamentos sociais e individuais, nos hábitos alimentares, no vestuário, na arquitetura e outros. Relações tácitas e contratuais entre os Estados Unidos da América e a República Federativa do Brasil. Presenças do americanismo na educação escolar brasileira.  Americanismo e Educação Profissional e Tecnológica no Brasil.

GT 10 –  Ofícios e profissões

Coordenadores(a): Prof. Dr. José Geraldo Pedrosa (CEFET-MG); Profa. Dra. Renata Bastos Ferreira Antipoff (IFMG); Prof. Dr. Antônio de Pádua Nunes Tomasi (CEFET-MG); Profa. Dra. Matilde Agero Batista (UFSJ)

Ementa: Artes, ofícios e profissionalização em ambientes diversos; Escolarização e práticas escolares das atividades manuais; O ensino de ofícios e profissões via educação a distância; História da educação profissional; Políticas públicas para a educação profissional.

GT 11 –  Saúde, trabalho e formação humana

Coordenadores: Prof. Dr. Davidson Passos Mendes (UNIFEI); Prof. Dr. Luiz Felipe Silva (UNIFEI); Prof. Dr. Geraldo Fabiano de Souza Moraes (UNIFEI)

Ementa: Aspectos históricos e conceituais da Patologia do Trabalho/Saúde do Trabalhador. Detecção dos Agravos à Saúde relacionados com o Trabalho. Processo saúde-agravo e os principais modelos de causalidade. Condições de risco de natureza ergonômica e da organização do trabalho e suas relações com saúde do trabalhador. Redução e eliminação da nocividade do trabalho: políticas públicas em saúde e segurança no trabalho. Estratégias de prevenção, gerenciamento de risco e mudanças tecnológicas. Contribuições da engenharia de segurança e da ergonomia para a redução e eliminação da nocividade no trabalho. Participação dos trabalhadores no saneamento do ambiente e condições do trabalho. Educação profissional. Formação humana e competências. Estratégias de gerenciamento de risco.

GT 12 – Juventude e mercado de trabalho: a transição da escola ao trabalho e suas consequências para a reprodução social

Coordenador(a):  Prof. Dr. Diogo Henrique Helal (FUNDAJ); Profa. Dra. Jesuína Maria Pereira Ferreira (UNIFBV)

Ementa: A desigualdade social brasileira é vítima de um processo que se perpetua entre gerações, qual seja: a entrada precoce no mercado de trabalho a qual alija as chances de realização educacional e a mesma restringe o acesso digno ao mercado de trabalho compondo-se assim em um círculo vicioso. O investimento em educação, antes de qualquer interpretação, deve ser entendido como tendo um fim em si mesmo, qual seja: o aprendizado. Entretanto, para a literatura acadêmica e para os gestores públicos, anos de escolarização e a qualidade dos mesmos tem sido compreendido quase que exclusivamente como fonte de acesso ao mercado de trabalho. Este grupo de trabalho tem como foco exatamente no estudo do contexto da transição da escola para o mercado de trabalho aqui entendido como feito em qualquer etapa do sistema escolar mesmo concomitantemente.

GT 13 – Ensino, aprendizagem e relação social e humana no contexto educacional da zona rural e de comunidades ribeirinhas

Coordenador(a): Prof. Dr. Esequiel Gomes da Silva (UFPA); Profa. Dra. Sandra Maria Job (UFPA)

Ementa: Os problemas relativos à educação no Brasil, de maneira geral,  ainda são desafios a serem vencidos no século XXI. Nesse sentido, de forma específica, este GT abrigará discussões que envolvam os desafios e avanços relacionados ao contexto educacional do ensino básico ao superior localizados na zona rural ou em comunidades ribeirinhas. Entende-se aqui como contexto educacional, o ensino, o discente, as condições de trabalho do professor, as relações de gênero, a interação professor-aluno, infraestrutura das escolas, as formas de locomoção, formação e qualificação dos docentes e temas afins.  Em uma perspectiva interdisciplinar, o objetivo é conhecer e refletir sobre as várias realidades educacionais que (sobre) vivem às margens dos grandes centros urbanos.

GT 14 – Trabalho e políticas públicas

Coordenadoras: Profa. Dra. Roberta Carvalho Romagnoli (PUC Minas); Profa. Dra. Cláudia Maria Filgueiras Penido (PUC Minas); Profa. Dra. Izabel Christina Friche Passos (PUC Minas).

Ementa: Discussão do cotidiano de trabalho dos técnicos e das equipes nas políticas públicas de saúde e de assistência social.  A multideterminação da vulnerabilidade e seus efeitos na gestão do trabalho. O campo de força e tensões existentes e sua análise a partir de autores como René Lourau, Michel Foucault e Gilles Deleuze e Félix Guattari.

GT 15 – Narrativas de experiências: profissionalidade e reconhecimento 

Coordenadores(as): Profa. Dra. Maria da Conceição Passeggi (UFRN); Prof. Dr. Herve Breton (Université de Tours/França);

Prof. Dr. Elizeu Clementino de Souza (UNEB); Profa. Dra. Ecleide Cunico Furlanetto (UNICID)

Ementa: A noção de profissionalidade representa uma inflexão importante no mundo do trabalho, nos dias atuais, por implicar necessariamente um retorno sobre a subjetividade. Nesse sentido, as experiências de aprendizagens (laboral, social, existencial) constituem uma base de reflexão pertinente, suscetível de favorecer um melhor conhecimento dos processos de formação e dos modos como o humano se apropria de suas experiências, ao longo da vida, e delas tira lições que podem redimensionar sua percepção sobre si mesmo e sobre o mundo da vida, possibilitando favorecer mais satisfação pessoal e profissional, eticamente responsável. O GT se propõe a reunir pesquisadores cujos estudos ancoram-se em narrativas da experiência (escritas, orais, digitais, audiovisuais), utilizadas com múltiplas finalidades: a) como método de pesquisa qualitativa; b) prática de formação e de reinvenção de si; c) instrumento de avaliação pelos pares para fins de ingresso e promoção na careira profissional (memoriais, dossiês para reconhecimento de saberes e competências-RSC, portfólios, cartas de intenção …), relacionando essas narrativas autobiográficas com as diferentes abordagens que têm se multiplicado nas Ciências Humanas, Sociais e da Saúde. O foco do debate recai, portanto, sobre aspectos epistemológicos, teórico-metodológicos e questões relativas à memória, à subjetividade, à identidade (profissional, de gênero) que emergem das narrativas da experiência como entradas para a pesquisa, a formação, a inserção na cultura e na vida profissional. O GT pretende fortalecer o movimento biográfico e suas redes de pesquisas existentes em âmbito nacional.

GT 16 – Relações étnico-raciais, gênero e produção do conhecimento

Coordenadora: Profa.  Dra. Silvani dos Santos Valentim (CEFET-MG)

Ementa: Este Grupo de Trabalho objetiva aprofundar, em uma perspectiva interdisciplinar, a temática Relações Étnico-Raciais, Trabalho e Educação. É por meio da cultura que os seres humanos dão significado às suas ações como um ato que ultrapassa um sistema de costumes posto que é objeto de intervenção humana. As relações étnico-raciais, se por um lado, permitem uma compreensão refinada de como as diversidades se apresentam nas instituições educativas, no mundo do trabalho e nas relações sociais, são, por outro lado, uma oportunidade para o questionamento de práticas excludentes, discriminatórias e racistas. Este GT reúne pesquisadores (as) de educação, cultura e relações raciais em comunidades tradicionais, negras, indígenas, quilombolas, de pescadores, de ribeirinhos, dentre outras, em sua interface com o trabalho e a educação e no âmbito do Ensino Técnico e da Educação Profissional e Tecnológica.

GT 17 –  Trabalho, formação e profissionalização docente

Coordenadores: Prof. Dr. Dalmi Alcântara (IFAM); Prof. Dr. Éder Alonso Castro (FACIPLAC)

Ementa: Trabalho: da prática à práxis docente. O desenvolvimento de identidades, valores e posturas profissionais dos docentes. Relação entre identidades profissionais, reconhecimento social e ética profissional. Cultura, trabalho e identidade profissional do docente. A ética como mecanismo de valorização e reconhecimento profissional do docente. Os desafios do trabalho docente e a diversidade cultural. Ações coletivas e a valorização do trabalho profissional. Análise das condições de trabalho dos profissionais da educação. A construção histórico-cultural do trabalho docente. A importância das tecnologias da informação, comunicação na formação da identidade e práticas profissionais dos docentes. As contribuições ético-profissionais dos educadores na escolha e formação profissional dos estudantes. Os conflitos entre gerações de profissionais no ambiente de trabalho docente.

GT 18 – Estudos sociais do trabalho, da tecnologia e da expertise: desenvolvimento de competências em situação de trabalho 

Coordenadores: Prof. Dr. Francisco de Paula Antunes Lima (UFMG); Prof. Dr. Rodrigo Ribeiro (UFMG)

Ementa: Este GT tem como objetivo discutir pesquisas teóricas e de intervenção em torno da relação entre formação escolar e a prática profissional. A diferença entre as competências desenvolvidas na formação inicial e as competências profissionais é amplamente reconhecida, assim como as dificuldades na passagem entre escola e trabalho. Propomos neste GT discutir temas situados na interface entre escola e trabalho, como:
1) especificidades dos conhecimentos escolares e da expertise profissional;
2) relações entre conhecimentos teóricos e habilidades e saberes situados ou práticos;
3) conhecimentos e conceitos pragmáticos;
4) competências transversais.

GT 19 – Trabalho e formação profissional nos campos da informação e da cultura

Coordenador(a): Prof. Dr. André de Souza Pena (UFMT); Profa. Dra. Gabriela Belmont de Farias (UFCE) 

Ementa: Os campos de trabalho informacional e cultural: atores, cenários, competências requeridas. Organização, processos e relações de trabalho em ambientes informacionais e culturais tais como: arquivos, bibliotecas, museus, centros culturais, centros de documentação, outros ambientes congêneres. Sociedade da informação, tecnologia e trabalho. Mercado de trabalho nas profissões da cultura e da informação. Saúde do trabalhador nos campos referidos. Formação profissional nos campos da informação e da cultura: limites, campos disciplinares envolvidos, paradigmas educacionais predominantes, estudos comparados. O trabalho em informação e cultura como campo de pesquisas: abordagens e metodologias.

GT 20 – Atividade, gesto, técnica e tecnologia

Coordenadora: Profa. Dra. Lucília Machado (UFMG)

Ementa: Abordagem histórico-cultural da atividade. A estrutura da atividade. Atividade pedagógica. Gestos, instrumentos e signos como mediadores da atividade humana. A técnica como ato tradicional eficaz. A tecnologia como ciência humana. As linguagens técnicas. Objetos técnicos e subjetivação. Significações sociais e sentidos pessoais. Gesto, condições do exercício da atividade como processo de humanização e formação humana.

Activité, geste, technique et technologie

GT 21 – Filosofia da técnica e da tecnologia

Coordenadores: Prof. Dr. José Aravena (UFJF); Prof. Dr. Bruno Vasconcelos de Almeida (PUC-MG)

Assistente: Ma. Juliana Pereira

Ementa: O GT “Filosofia da Técnica e da Tecnologia” propõe uma reflexão acadêmica transdisciplinar entre a filosofia da tecnologia, o atual cenário das profissões técnicas/tecnológicas, e outros campos de conhecimento, com o objetivo de problematizar questões contemporâneas acerca da técnica e da tecnologia. As relações entre tecnologia e política, economia, cultura, ciência e subjetividade estão entre as preocupações do grupo. Pretende-se discutir desde a conceituação e a relação entre os conceitos técnica e tecnologia, até a sua articulação dentro dos diversos contextos profissionais (como é o caso das engenharias e outras profissões de caráter inventivo-produtivo), considerando os diversos campos do desenvolvimento tecnológico atual e suas repercussões na orientação dos processos formativos e normativos, na promoção de políticas públicas, nos efeitos no emprego/desemprego ou nas dinâmicas econômicas dominantes e alternativas. São bem-vindas contribuições de todas as áreas que tratem, desde a perspectiva da filosofia da técnica e da tecnologia, assuntos relativos à indústria 4.0, sociedade 5.0, antropoceno, transumanismo  e ainda contribuições em torno de autores clássicos da área, bem como produções recentes que problematizem o cenário atual de inquietações e incertezas, como por exemplo, os algoritmos e o universo digital, as relações entre tecnologias e neoliberalismo, as biotecnologias, a relação da filosofia com as engenharias, o intenso investimento de captura das subjetividades contemporâneas, a cultura material e dos objetos, as narrativas e imaginários que circundam as disputas tecnológicas.
Palavras-chave: Filosofia da Técnica e da Tecnologia. Trabalho. Transdisciplinaridade. Subjetividade. Políticas Públicas.

GT 22 – Analogias, metáforas e modelos (A&M) na educação e na formação profissional do educador para o mundo do trabalho

Coordenadores: Prof. Dr. Ronaldo Luiz Nagen (CEFET-MG); Prof. Dr. Ivo de Jesus Ramos (CEFET-MG); Prof. Dr. Alexandre da Silva Ferry (CEFET-MG)

Ementa: Este GT propõe a discussão de temáticas que abordem: práticas educativas e formativas na ciência; na tecnologia e artes envolvendo o uso de A&M, bem como da aplicação sistematizada, no uso de A&M, em ambientes da educação e da formação profissional para o mundo do trabalho. Nele aborda-se, também, o uso de A&M nos processos: de ensino e de aprendizagem; de divulgação e socialização da ciência e de desenvolvimento de tecnologias; e objetiva também discutir e divulgar novos papéis atribuídos às A&M para a formação profissional e de educador no que se refere à práxis pedagógica, à cognição e à heurística.

GT 23 – Saberes e experiência dos trabalhadores

Coordenador: Prof. Dr. José Newton Garcia de Araújo (PUC Minas)

Ementa: Neste GT, propõe-se discutir práticas de pesquisa e de intervenção em ambientes laborais. Parte-se da hipótese de que, em sua vivência no cotidiano das organizações, os trabalhadores acumulam saberes e experiências singulares, tornando-se, por isso mesmo, os sujeitos mais capazes de analisar as condições e/ou a organização patológica dos processos de trabalho. Neste sentido, são eles que podem fornecer os mais pertinentes subsídios para se propor mudanças nas situações geradoras de sofrimento no trabalho. Embora haja diversas abordagens teóricas e metodológicas que se apoiam em semelhante hipótese, buscaremos privilegiar as pesquisas e intervenções alicerçadas nas teorias clínicas do trabalho, ou seja, a ergologia, a psicodinâmica do trabalho, a clínica da atividade e a psicossociologia do trabalho.  

GT 24 –  Gestos profissionais e interculturalidade

Coordenadores(a): Prof. Dr. M. Sébastien Pesce (Université d’ Orléans/França); Profa. Dra. Lucília Machado (UFMG); Prof. Dr. Antônio de Pádua Nunes Tomasi (CEFET-MG); Prof. Dr. Hervé Breton (Université de Tours/França)

Ementa: Por que observar e estudar gestos profissionais? Elementos conceituais para pensar o gesto profissional. O engendramento do gesto na ação. A linguagem do gesto. Situação de trabalho, situação profissional e gesto. Gestos profissionais e significações sociais. A atribuição de sentidos pessoais a gestos profissionais. O processo de desenvolvimento de gestos profissionais. A transmissão de gestos profissionais. Gestos profissionais pré-construídos. Postura profissional e gesto. Identidade profissional e gesto. Elementos performáticos do gesto profissional. Gestos escolares. Gestos disciplinares. O prescrito e o real. Gênero e estilo. Rotinas profissionais. Desafios na / da apropriação do gesto profissional. Cultura, diversidade, multiculturalidade, transversalidade, interculturalidade e gesto profissional.  

GT 25 –  Pedagogias alternativas e inovações sociais

Coordenadores(a): Prof. Dr. M. Sébasien Pesce (Université d’ Orléans/França); Profa. Dra. Lucília Machado (UFMG); Prof. Dr. Antônio de Pádua Nunes Tomasi (CEFET-MG); Prof. Dr. Hervé Breton (Université de Tours/França)

Ementa: Objetiva trabalhar as condições, os determinantes teóricos, as formas metodológicas, bem como os efeitos das pedagogias alternativas, mais precisamente aquelas que dizem respeito aos adultos: pedagogias em formação de adultos, as que se colocam no contexto de intervenções sociais, comunitárias, de projetos de desenvolvimento local. Por esta razão, nos interessamos particularmente pelas pedagogias alternativas como recurso aos projetos de inovação social. Do ponto de vista do processo, nós queremos trabalhar a questão das pedagogias principalmente nos apoiando em experiências pedagógicas reais, ou seja, na apresentação e análise de experimentos educacionais que foram concebidos e desenvolvidos, ou observados pelos participantes do GT. Outro desafio é considerar as experiências que têm sido desenvolvidas em diversos contextos culturais / geográficos apresentadas pelos membros do GT, notadamente na América do Sul, Europa, Canadá. Também nos propomos realizar a análise desses experimentos usando como quadro de reflexão as contribuições (teóricas ou metodológicas) de grandes pensadores, praticantes e correntes pedagógicas.

GT 26 – Práticas de letramento: identidade e trabalho docente

Coordenador(a):  Profa. Dra. Leiva de Figueiredo Leal (UFMG); Prof. Dr. Cláudio Humberto Lessa (CEFET-MG)

Ementa: Propomo-nos a debater aspectos constitutivos da identidade do professor a partir de suas práticas discursivas e de sua ação docente no que concerne à importância da sua formação inicial e continuada para práticas pedagógicas bem informadas; ao papel das teorias e aplicações das noções de ‘letramento’ no trabalho docente e às influências da identidade docente no gerenciamento das redes interacionais na sua prática.

GT 27 – Formação de professores para a educação profissional

Coordenadora: Profa. Dra. Maria Rita Neto Salles Oliveira(CEFET-MG)

Ementa: O GT tem por objetivo discutir aspectos da formação de professores para a modalidade da educação profissional, nos contextos, estreitamente relacionados, da contemporaneidade e dos dispositivos legais a respeito da matéria, no Brasil. Serão abordadas características da contemporaneidade, da relação entre contexto histórico, políticas públicas, leis e práticas sociais, além das condições atuais da formação em pauta. O GT acolherá apresentação de resultados de estudos e pesquisas ou experiências e propostas de inovação exitosas sobre a formação de professores para a educação profissional.

GT 28 – Divisão sexual do trabalho e relações de gênero: desafios atuais e interlocuções com a ciência e tecnologia (C&T) e a educação profissional e tecnológica

Coordenadora: Profa. Dra. Raquel Quirino (CEFET-MG)

Assistente: Doutoranda Mislene Aparecida Gonçalves Rosa

Ementa: O GT objetiva problematizar a educação profissional e tecnológica, bem como a produção e utilização da ciência, da técnica e da tecnologia no trabalho tendo as relações de gênero como objetos de estudo em recortes específicos. São lócus dessas discussões os espaços laborais e as instituições educacionais. Busca-se discutir as interlocuções, diálogos, correlações, avanços e desafios das relações de gênero e da diversidade sexual nas relações de trabalho com suas divisões; na educação profissional e tecnológica e na produção e utilização da ciência e tecnologia na sociedade.

GT 29 – Trabalho escravo contemporâneo 

Coordenadores(a): Prof. Dr. Luciano Rodrigues Costa (UFV); Profa. Dra. Flávia Moura (UFMA); Prof. Dr. Braulio Figueiredo Silva (UFMG)

Ementa: Formas de dominação e sujeição do trabalho. Escravidão por dívida; jornada exaustiva e trabalho degradante. Conceitos sociológicos e jurídicos. Migrações e deslocamentos para fins de trabalho. Crime lesa-humanidade; falta de garantia de direitos e de dignidade humana. Aliciamento e denúncias de condições análogas a de escravos. O papel das instituições de regulação do direito do trabalho, os desafios e os limites da política pública de controle dessa forma de exploração do trabalho no Brasil e no mundo.

GT 30 – Ambientes de aprendizagem e tecnologias aplicadas à educação: práticas educativas e a formação docente para a educação profissional e tecnológica

Coordenador(a): Prof. Dr. Ivo de Jesus Ramos (CEFET-MG); Profa. Dra. Maria Adélia da Costa (CEFET-MG)

Ementa: Conceitos de Ambientes de Aprendizagem; Ambiente de Aprendizagem on-line; Ambiente de Aprendizagem presencial; Cultura Maker na Educação Profissional e Tecnológica (EPT); Práticas Profissionais dos docentes; Prática docente no Ensino e Aprendizagem; Práticas Educativas e Tecnologias; Aplicações da inteligência artificial em projetos educativos; Práticas pedagógicas e educativas em sistemas inteligentes; Projetos de inteligência artificial na educação; Elaboração de Projetos Pedagógicos; Práticas Educativas; Projeto Integrado de Práticas Educativas nos espaços escolares e não escolares; Prática Pedagógica e Docência; Relação teoria e Prática na Formação Docente; Docência Inovadora; Prática Reflexiva; Metodologia da Prática Pedagógica Docente; Metodologia Ativas em Práticas educativas e na Formação docente; Práticas na Educação Inovadoras, Projetos e Práticas educativas em Neurociência; Neurociência e a Formação docente; Práticas Educativas na Formação Docente; Prática Docente, Currículo e a Formação de Professores na EPT; Formação de Professores para a Educação Básica – Ensino Médio e EPT.

GT 31 – Ergonomia, saúde mental e resiliência: desafios para o século XXI

Coordenadores: Prof. Dr. Fernando Toledo Ferraz (UFF); Prof. Dr. Isaac José Antonio luquetti dos Santos (CNEN/IEN e UFRJ/PEA)

Ementa: Os sistemas de trabalho crescem em complexidade continuamente. O aumento da complexidade se dá em diversas dimensões, não apenas na tecnológica. As mudanças no trabalho exigem novas competências, novos padrões de organização e podem significar novos riscos. Este GT tem por objetivo aprofundar a discussão dessas questões. As abordagens para tanto serão da Ergonomia, da Resiliência e da Saúde Mental.